Vereadora Maria Pereira pede que Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente volte a atuar em Canaã

Vereadora Maria Pereira pede que Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente volte a atuar em Canaã

Antes de integrar o Legislativo de Canaã dos Carajás, a vereadora Maria Pereira, PL, atuou no Serviço Social desde 2009. A profissão lhe permitiu conhecer ao longo dos anos a realidade de muitas famílias.

Durante o grande expediente da 14ª Sessão Ordinária, a parlamentar repudiou os recentes casos onde crianças foram assassinadas ou abusadas no seio familiar. “Nós estamos no mês de maio, no dia 18 a gente tem o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Mas nós temos como exemplo, uma menina que se chamava Araceli (Araceli Cabrera Sánchez Crespo) que, há 48 anos foi estuprada, estrangulada, queimada e morta por três senhores de classe média alta e que até hoje não foram punidos. Dessa época para cá, quantas Aracelis já perderam a vida? Nós tivemos o caso do menino Henry, quantos Henrys nós já perdemos enquanto a justiça não toma conta dos agressores?”.

Em seu discurso, a vereadora destacou o caso de uma criança que foi abusada pelo pai e pelo amigo. O crime ocorreu no último domingo, 2, e chocou os moradores de Canaã. “Aqui em Canaã não é diferente, aqui nós temos as crianças vítimas, temos as mães omissas, temos os abusadores e temos os bandidos soltos. Todos os anos a gente faz uma manifestação, mesmo porque, no dia 18 não é dia de comemoração, é dia de manifestação, de repúdio, para que toda a rede do Sistema de Garantia funcione. Os próprios pais estão sendo violadores dos direitos dos filhos. Tivemos um caso de um pai, um monstro que junto com o amigo, estuprou uma criança de 1 ano e 11 meses, que punição essa pessoa deve ter? Isso é um caso de indignação, eu repudio esse tipo de atitude”.

Para Maria, é necessário que o poder público elabore estratégias de forma que as instituições integradas voltem a assegurar a proteção de crianças e adolescentes, através da imprescindível atuação do Sistema de Garantia de Direitos. “As crianças estão implorando que a gente tome alguma atitude para salvar suas vidas. Eu sei que o Conselho Tutelar, o CREAS e o CRAS estão se desdobrando para fazer o trabalho deles, mas a Rede não é só eles, a gente precisa urgente que todo o Sistema de Garantia se reúna para assegurar o direito dessas pessoas”, finalizou.

O presidente da CMCC, Dinilson José, MDB, se dispôs a contribuir na busca de meios para que a Rede de Proteção volte a funcionar. “Há cerca de dois anos, nós tínhamos uma Rede muito boa em nossa cidade com a participação do Ministério Público, Juiz, promotor e muitos outros órgãos. Nós vamos tentar resgatar esse trabalho. É preciso criar alternativas para que a Lei funcione”.

 

ASCOM/CMCC

 

Deixe uma resposta